Qual melhor horário para publicar?
23 de outubro de 2018
Criatividade e inovação na apresentação do ambiente Palco da Vida, na Mostra Morar Mais Salvador
24 de outubro de 2018

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Confira abaixo a matéria que Priscyla Caldas participou sobre o uso das mídias sociais, em campanhas de conscientização como Outubro Rosa, junto com Dra Juliana Chieppe e Nutri Mércia Casaes. Para os meios: Canal Salvador, Diga Bahia, Sou Salvador, Let´s Go Bahia e Noticiário Baiano.

Link Canal Salvador: bit.ly/2ApRTGm

Link Sou Salvador: http://bit.ly/2PmOXm4

Link Diga Bahia: http://bit.ly/2D3ecV8

Link Let´s Go Bahia: http://bit.ly/2RbPlkN

Link Noticiário Baiano: http://bit.ly/2D5haZ5

 

————– —————

 

23/10/2018 Por: Van Carvalho

 

Auxiliando no processo de conscientização e mobilização social, as mídias digitais funcionam como grandes aliados nas campanhas que envolvam engajamento, visibilidade e cuidados com a saúde.

No mês do Outubro Rosa, onde a atenção está voltada para a prevenção ao câncer de mama e ao bem-estar da mulher, manter-se informada sobre os cuidados com o autoexame, saúde feminina e ações preventivas, exigem cada vez mais envolvimento e engajamento de toda a população.

Segundo Priscyla Caldas, diretora a agência Êxito Marketing e mestre em gestão das organizações, “As mídias sociais funcionam como uma poderosa ferramenta de conscientização e divulgação da campanha. Muitas destas publicações aumentam o conhecimento geral da população sobre o tema, com informações sobre estudos clínicos e quais as opções de tratamento. O que precisa ser levado em consideração são as fontes dos dados, para que esta informação não seja errada, e assim consigamos atingir o objetivo desejado”, destaca a profissional, que atua principalmente na assessoria de clientes das áreas da saúde.

Reconhecido como o tipo de câncer mais frequente entre as mulheres, a campanha do Outubro Rosa teve início nos EUA dos anos 90, como forma de encorajar o público a conhecer melhor esse tipo de câncer que afetou ao menos 1,67 milhões novos pacientes no mundo todo em 2012. No Brasil, apenas em 2016, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) estimou 57.960 novos casos, dos quais mais de 14 mil resultaram em morte.

Para a médica dermatologista, Dra. Juliana Chieppe, “As redes sociais assumiram uma responsabilidade muito grande em trazer informação a um público que está cada vez mais conectado ao celular em detrimento da televisão. Por essa razão, eu anualmente alerto meus seguidores no mês de outubro, através de postagens sobre a campanha do câncer de mama, a importância do autoexame e das mamografias. O câncer de mama é uma doença silenciosa que é a mais incidente na população feminina (grande parte do meu público), só perdendo para os casos de câncer de pele não melanoma”, alerta a médica.

De olho no bem-estar holístico da mulher, a nutricionista Mércia Casaes destaca a importância da campanha e os cuidados necessários com a saúde. “O outubro rosa tem como objetivo, estimular e informar a importância de um diagnóstico precoce do câncer de mama. Para isto, é necessário consultas periódicas ao médico, seja ele um ginecologista ou mastologista, além de fazer o auto exame frequentemente. Além do diagnóstico precoce, a prevenção é o melhor remédio. A preocupação com o controle do peso, a preferência a alimentos saudáveis, o uso de alimentos fontes de ômega 3 (linhaça, chia, sardinha, atum, salmão e linguado), a redução do consumo de carnes vermelhas e o consumo de aves e ovos orgânicos, ajudam a reduzir a inflamação sistêmica e consequente ajudam a reduzir o risco ao câncer de mama”, alerta a nutricionista.

Com ações para todo mês, Priscyla destaca a importância do engajamento e participação da população. “Convido a todos e a todas para participarem dessa campanha, compartilhando material, alertando sobre os cuidados e agindo de forma ativa no compartilhamento de conteúdos positivos”, conclui.

Fonte:

Variedades: Outubro Rosa: mídias sociais são aliadas no acesso à informação.

Outras Fontes:

http:// www.digabahia.com.br/outubro-rosa-midias-sociais-sao-aliadas-no-acesso-informacao